sábado, 21 de agosto de 2010

Escolha sempre o melhor, sempre que puder...

"Não, nada de nada... Não! Eu não lamento nada...
Está pago, varrido, esquecido. Não me importa o passado!

Com minhas lembranças acendi o fogo.
Minhas mágoas, meus prazeres. Não preciso mais deles!
Varridos os amores e todos os seus temores.
Varridos para sempre, recomeço do zero...

Não! Nada de nada... Não! Não lamento nada...!
Nem o bem que me fizeram. Nem o mal, isso tudo tanto faz!"

(Trecho da música de Edith Piaf - "Non, Je Ne Regrette Rien")

                                                __________________________


Alguns dizem que para cada coisa boa, acontece algo ruim para equilibrar o universo. E alguns dizem que para cada coisa ruim que fizermos, precisamos fazer algo de bom como forma de redenção.

Nessa semana comigo, aconteceram coisas boas e outras, nem tanto...
Sentir que estamos magoando uma pessoa, mesmo sem querer de forma alguma que isso aconteça, realmente não é nada bom. E acho que todo mundo que é humano (no sentido de sensível) há de concordar comigo nisso.

Mas todos que são humanos tem também consciência. E uma hora ou outra ela pesa. E muito. E só quando nos colocamos no lugar do outro é que entendemos pelo que ele passa.

O fato de eu estar magoando uma pessoa sem querer que isso aconteça, me fez refletir. Me fez pensar como é ruim ser a pessoa que magoa e não poder fazer nada e como às vezes fazemos coisas que não queremos fazer. Mas o coração tem vida própria. E aí fazemos... Não há como não segui-lo. Não podemos nos sacrificar por outra pessoa e continuar a nos iludir e também a iludi-la. Pelo contrário, isso seria muito pior. Isso levaria a tragédias inimagináveis, a mais sofrimento e dor a essa outra pessoa e a nós mesmos.

E o efeito dominó comigo prosseguiu... Magoar alguém sem querer fazer, sem ser de propósito, me fez pensar em como é ruim magoar alguém por querer. De propósito. Algumas pessoas são tão especiais e simplesmente fazemos o que? Magoamos...

Quando temos a escolha de não magoar alguém, quando o nosso coração já nos respeita e quando a consciência começa a pesar, já que não temos opção de melhorar o nosso futuro, que tal começarmos melhorando o nosso presente? Precisamos acertar as contas com o passado, com as pessoas, devemos varrer as coisas ruins e deixar as coisas boas, para tentar ao menos, ficarmos quites com o nosso presente, já que coisas ruins, inevitavelmente acontecem todos os dias.

Este post é dedicado ao meu amigo Heryk, que cada vez mais tem me inspirado a contar minhas historias verídicas e cotidianas no blog e também a minha mais nova velha amiga (reciclada, hehehehehe) a qual eu fiz as pazes essa semana. Obrigado à vocês!!!

Um comentário:

Heryk Slawski disse...

Blog é um assunto sério meu amigo... E nada melhor do que falar das nossas tosquices que fazemos...

Serviremos de bons exemplos algum dia :D

Forte Abraço e a cozinha te espera o/